A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

 

FAA  

Faculdade Alagoana de Administração - A Associação de Ensino Superior de Alagoas - AESA, pessoa jurídica de direito privado, devidamente cadastrada no CGC do MF sob o nº 11.918.109/0001-29, com sede na Rua Lourenço Moreira da Silva, 75, Jatiúca, Maceió, Alagoas, devidamente autorizada por Decreto do Presidente da República de 14 de março de 1994, publicado no Diário Oficial da União em 15 de março de 1994, é uma entidade mantenedora sem fins lucrativos, que fez seu ingresso na educação superior, instalando-se em Maceió/AL, a partir de 1995, com a oferta do Programa de Graduação em Administração com habilitação em Administração de Empresas, ministrado pela Faculdade Alagoana de Administração - FAA. Em 2000, a FAA, em seu quinto ano de funcionamento, reconheceu o curso de Administração com habilitação em Administração de Empresas, pela Portaria nº 2.144, publicada no DOU de 28 de dezembro de 2000 e pela Portaria nº 1.768, publicada no DOU de 24 de maio de 2005 (pelo processo de renovação de reconhecimento). Concomitantemente ao reconhecimento desse curso, foram autorizados os cursos de Graduação em Turismo, reconhecido pela Portaria nº 2.016, publicada no DOU de 09 de junho de 2005 e Administração com habilitações em Comércio Exterior, Marketing e Gestão de Sistemas de Informação, reconhecidos pela Portaria nº 2.017, publicada no DOU de 09 de junho de 2005; Recursos Humanos, autorizado pela Portaria nº 3.880, publicada no DOU de 27 de dezembro de 2002. Com o compromisso de oferecer cursos nas diversas áreas do conhecimento, a AESA elaborou o projeto de credenciamento para regularizar o funcionamento do Instituto de Ensino Superior de Alagoas - IESA, criado em Assembleia Geral Extraordinária realizada pela mantenedora em 19 de julho de 1999. A partir da formalização do credenciamento do IESA, por meio da Portaria MEC nº 969, publicada no DOU de 03 de abril de 2002, a Instituição fez seu ingresso na educação superior, instalando-se em Maceió/AL, com a oferta dos seguintes Programas de Graduação: Ciências Contábeis, autorizado pela Portaria MEC nº 970, publicada no DOU de 03 de abril de 2002 (em processo de reconhecimento) e Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, autorizado pela Portaria nº 973, publicada no DOU de 03 de abril de 2002 (em processo de reconhecimento). Posteriormente, foram autorizados os seguintes cursos: Administração com habilitações em Gestão Hoteleira, pela Portaria MEC nº 2.566, publicada no DOU de 09 de setembro de 2002; Ciência da Computação, pela Portaria MEC nº 3.999, publicada no DOU de 31 de dezembro de 2002; Fisioterapia, pela Portaria MEC nº 4.051, publicada no DOU de 31 de dezembro de 2002; e Direito, pela Portaria MEC nº 3.856, publicada no DOU de 27 de dezembro de 2002. Recentemente, foram autorizados cursos superiores de tecnologia na área de gestão: Gestão de Marketing, Gestão de Comércio Exterior, Gestão de Recursos Humanos, pelas Portarias nº 3.836, 3.837 e 3.838, respectivamente, publicadas no DOU de 17 de dezembro de 2003; Gestão de Sistemas de Informação, Gestão Mercadológica, Gestão Empreendedora, pelas Portarias nº 1.534, 1.535 e 1.536, respectivamente, publicadas no DOU de 31 de maio de 2004; na área de comunicação, a saber: Produção Gráfica Digital, Multimídia, Comunicação para Web, pelas Portarias nº 1.483, 1.484 e 1.485, respectivamente, publicadas no DOU de 26 de maio de 2004; Comunicação Empresarial, Comunicação e Ilustração Digital, pelas Portarias nº 1.974 e 1.975, respectivamente, publicadas no DOU de 07 de julho de 2004; e na área de informática, o curso de Gerenciamento de Redes de Computadores, pela Portaria nº 1.533, publicada no DOU de 31 de maio de 2004. Foram autorizados também os cursos superiores de tecnologia em Gestão Hospitalar, pela Portaria nº 2.867, publicada no DOU de 25 de agosto de 2005; Turismo Receptivo, pela Portaria nº 1.916, publicada no DOU de 06 de junho de 2005; Eventos, pela Portaria nº 2.868, publicada no DOU de 25 de agosto de 2005; e Gestão de Empreendimentos Esportivos, pela Portaria nº 3.932, publicada no DOU de 03 de dezembro de 2004. Foram autorizados também os Cursos Sequenciais por meio de uma única Portaria de no. 546 de 20/02/06 - D.O.U. São eles: Gestão de Serviços Turísticos, Gestão em Sistemas de Informação, Gestão Financeira de Empresa, Recursos Humanos Estratégicos, Gestão Hospitalar, Marketing Estratégico, Gestão Empresarial, Gestão de Pequenas e Médias Empresas, Gestão em Serviços de Saúde, Marketing de Serviços, Gestão em Tecnologia da Informação.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FABRÉ, Nidia Noemi  

(San Luis - Argentina ). Escritora. Graduação em Ciências Biológicas (1983), Doutorado em Ciências Biológicas (1992), ambos na Universidad Nacional de Mar Del Plata. Pós-Doutorado, na Bournemouth University, Inglaterra (2013). Professora da UFAL, desde 2006. Obra: O Conhecimento Tradicional e a Abordagem Ecossistêmica no Manejo da Várzea na Amazônia, juntamente com Vandick da Silva Batista e Maria Olívia de Albuquerque Ribeiro, in Conhecimento Tradicional e Estratégias de Sobrevivência de Populações Brasileiras, Maceió: EDUFAL, 2007, Flávia de Barros Prado Moura (org.), p. 125-141.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ - FACIMA  

Associação Unificada Paulista de Ensino Renovado Objetivo - ASSUPERO, pessoa jurídica de direito privado com sede em São Paulo- SP cadastrada no CNPJ do Ministério da Fazenda sob o n.º 06.099.229/0001-01, é uma entidade mantenedora sem fins lucrativos que fez seu ingresso na educação superior em 1971.Em 23/12/02 a partir da Portaria nº. 3.741 publicada no DOU, nasce oInstituto Maceió de Ensino e Cultura - IMEC, com a formalização do seu credenciamento na educação superior, instalando-se em Maceió, mantido pela ASSUPERO que funcionava no Colégio Batista Alagoano. Com o crescimento, em 2006, a instituição adquiriu novo espaço para atender a demanda e passou a funcionar também no Colégio Maria Montessori. Em 08/08/2008 diante do acelerado crescimento, uma vez que os parceiros já não disponham de espaços para adequar seus alunos, conquista e inaugura a sua sede própria localizada na Av. Durval de Góes Monteiro, 4.354.. Em 29/04/2010 por meio da Portaria n.º 453, publicada no Diário Oficial da União em 04/05/2010, o MEC - Ministério da Educação a partir da comprovação da qualidade dos serviços prestados na educação, com formação plena e resultados comprovados pela instituição, aditou os atos de credenciamento, assim como alterou a denominação de Instituto Maceió de Ensino e Cultura -IMEC para FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ - FACIMA.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE ALAGOAS  

Fundada pelo Sindicato dos Empregados do Comércio do Estado de Alagoas, então presidido por Agérico Vieira, o qual nomeou, para providências iniciais - como elaboração do regimento, organização do corpo docente, entre outras - Benedito Manoel dos Santos Silva Filho, Domingos Gonçalves Lima e José Cavalcanti Manso, todos eles professores da Escola Técnica de Comércio de Alagoas. Autorizada a funcionar pelo Decreto 34.962 de 19/01/1954, ela é instalada em 17 de fevereiro do mesmo ano, quando a Congregação se reúne pela primeira vez, estando presentes os professores Alfredo Gaspar de Mendonça, José Cavalcanti Manso, José Sílvio Barreto de Macedo, José Cavalcanti Cajueiro, Benedito Manoel dos Santos Silva Filho, José Franklin Casado de Lima, Nelson Tenório de Oliveira, Petrônio Viana, Hermano Cardoso Pedrosa, Albérico de Carvalho Lima, Carlos de Gusmão Miranda, Manoel Bezerra da Silva e Milton Gonçalves Ferreira. No dia seguinte, a Congregação, composta pelos citados acima e, ainda, por Anfilófio Jayme de Altavila Melo, Bidionaques Casado do Nascimento, Jair Gaspar de Mendonça e José Xisto Gomes de Melo, também considerados fundadores, por comporem a lista anteriormente enviada ao Ministério da Educação, escolheu a lista tríplice para diretor, bem como os doze nomes entre os quais seriam escolhidos os seis componentes do Conselho Técnico Administrativo. Apresentadas à entidade mantenedora, foi escolhido para diretor, no triênio 1954/1956, o prof. José Cavalcanti Manso e para membros do Conselho: Alfredo Gaspar de Mendonça, José Cavalcanti Cajueiro, José Franklin Casado de Lima, José Sílvio Barreto de Macedo, José Xisto Gomes e Nelson Tenório. O primeiro corpo docente, com as respectivas matérias, assim ficou constituído: Milton Gonçalves Ferreira, Instituições de Direito Público; Petrônio Viana, Complementos de Matemática; Albérico de Carvalho Lima, Contabilidade Geral; José Cavalcanti Manso, Economia Política; Benedito Manoel dos Santos Silva Filho, Valor e Formação de Preços; José Otávio Pereira Acioli, Estrutura das Organizações Econômicas; Manoel Bezerra e Silva, Moeda e Crédito; Carlos de Gusmão Miranda, Geografia Econômica; Jair Gaspar de Mendonça, Estrutura e Análise de Balanços; José Xisto Gomes de Melo, Instituições de Direito Privado; José Cavalcante Cajueiro, Repartição de Renda Social; Antônio César de Moura Castro, Comércio Internacional e Câmbios; Hermano Cardoso Pedrosa, Estatística Metodológica; Paulo de Albuquerque, História Econômica Geral e História da Formação Econômica do Brasil; Alfredo Gaspar de Mendonça, Ciências das Finanças; Paulo de Castro Silveira, Ciência da Administração; Nelson Tenório de Oliveira, Evolução da Conjuntura Econômica; Pompeu de Miranda Sarmento, Política Financeira; Jayme de Altavila, História das Doutrinas Econômicas; Antônia de Omena Fireman, Estudo Comparado dos Sistemas Econômicos; José Franklin Casado de Lima, Estatística Econômica e José Sílvio Barreto de Macedo, Princípios de Sociologia Aplicados à Economia. Em março de 1954 realizaram-se as provas do primeiro concurso de habilitação, com aprovação de 17 dos 34 candidatos inscritos. Em 1957 foi reconhecida pelo Decreto 42.928, de 30 de dezembro. Nesse mesmo ano foi nomeado o professor Nelson Tenório como seu diretor e, ainda, em 14 de dezembro, ocorreu a formatura da primeira turma de economistas. Em 1960, foi nomeado seu diretor o professor Milton Gonçalves Ferreira. Com a criação da UFAL, passou a ser uma das suas unidades integrantes. O Conselho Departamental e a Congregação da Faculdade e, depois, o Conselho Universitário aprovaram a instituição do Curso Superior de Contador. Inicialmente ficou instalado no prédio anteriormente pertencente à Sociedade Perseverança e Auxílio e, depois, no Sindicato dos Empregados no Comércio do Estado de Alagoas.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ - FAMA  

Mantida pela Sociedade Educacional de Maceió - SEMA. Faculdade particular. Credenciada pela Portaria nº 340 de 23/02/2001. Oferece a graduação dos cursos de Administração, Ciências Contábeis e Direito. Pós-graduação em Ciências Criminais, Direito do Trabalho Previdenciário e Ciências Políticas e Estratégias. Reitor: José Luitgard Moura de Figueiredo.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE DIREITO  

veja FACULDADE LIVRE DE DIREITO.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE ENGENHARIA  

Em 13/08/1951, no prédio então ocupado pela Escola Industrial de Maceió, na Praça Sinimbu, reuniram-se os engenheiros Aloísio Freitas Melro, Antônio Maria Mafra, Everaldo de Oliveira Castro, Jaime Fonseca, Demócrito Sarmento Barroca, José Steremberg, Talvanes Augusto de Barros, Edson Lobão Barreto e Joaquim Tomaz Pereira Diegues com a finalidade de fundarem uma escola de engenharia em Maceió. Dois dias depois, tornaram a se reunir, quando aprovaram os estatutos da Sociedade Civil mantenedora da Escola. Em 30/08/1951, foi eleita e empossada a diretoria da Sociedade Civil mantenedora da Escola de Engenharia de Alagoas, constituída por: Aloísio Freitas Melro, presidente; Antônio Mário Mafra, vice-presidente; Talvanes Augusto de Barros, 1o. Secretário; Joaquim Tomaz Pereira Diégues Júnior, 2o. Secretário; Everaldo de Oliveira Castro, tesoureiro, e José Steremberg, vice - tesoureiro. Nessa mesma sessão, foram aceitos os primeiros sócios contribuintes: Humberto Guedes Pinto de Paiva, Mário Dubeaux Leão, Antônio de Freitas Nogueira e Aloísio da Silva Nogueira. Posteriormente, seriam aceitos como sócios contribuintes Luiz Calheiros Júnior e Flávio Luz. Prosseguindo no processo de criação da Faculdade, foram indicados os seguintes professores: Aloísio Freitas Melro, Antônio Maria Mafra, Everaldo de Oliveira Castro, Demócrito Sacramento Barroca, Talvanes Augusto de Barros e Joaquim Tomaz Pereira Diegues Júnior. Iniciaram-se então as medidas para aprovação das exigências para instalação da Escola. O Governo Estadual doou, de acordo com a Lei Estadual 1.650 de 26/08/1952, o prédio em que a sociedade civil vinha se reunindo para instalar a Escola. Somente em fins de 1953 foi designado o Inspetor Federal para proceder à verificação indispensável à autorização, por parte do Governo Federal, para o seu funcionamento. O parecer favorável foi apresentado em 21/03/1955, quando então o Conselho Nacional de Educação aprovou o parecer 53 que permitia o funcionamento da instituição. Seu primeiro corpo docente, com as respectivas cadeiras, assim ficou constituído: Aloísio Freitas Melro, Portos, Rios e Canais; Antônio Mário Mafra, Complementos de Geometria Analítica e Noções de Nomografia-Cálculo Infinitesimal; Everaldo de Oliveira Castro, Topografia; Demócrito Sarmento Barroco, Estradas de Ferro e de Rodagem; Talvanes Augusto de Barros, Física; Joaquim Tomaz Pereira Diegues Júnior, Complementos de Geometria Descritiva - Elementos de Geometria Projetiva-Prospectiva - Aplicações Técnicas; Manfredo Perdigão do Carmo, Mecânica Precedida de Cálculo Vetorial; Manoel Messias de Gusmão, Desenho Técnico; Flávio Correia da Rocha, Geologia Econômica e Noções de Metalurgia; Anselmo Botelho, Desenho a Mão Livre; Aldemo Lobão Barreto, Mecânica Aplicada-Bombas e Motores Hidráulicos; José Maurício Pedrosa Gondim, Resistência de Materiais-Grafostática; Jalbas Tavares Lira, Materiais de Construção - Tecnologia e Processos Gerais de Construção; Carlos Alberto Padilha de Figuiredo, Química Tecnológica e Analítica; Augusto Alves dos Santos, Eletrotécnica; Edson Lobão Barreto, Geodésia-Elementar- Astronomia de Campo; Fernando de Rosa Oiticica, Termodinâmica- Motores Térmicos e de Ar Comprimido; Emerson Lourenço Jatobá, Hidráulica Teórica e Aplicada; José Alexandre Teixeira de Melo, Estabilidade das Construções; Hermano Cardoso Pedrosa, Pontes, Grandes Estruturas Metálicas e em Concreto Armado; Odilon Lima de Souza Leão Filho, Construção Civil e Arquitetura; Rodrigo Lopes, Higiene Geral - Higiene Industrial e dos Edifícios - Saneamento e Traçado das Cidades; e Joaquim Gonçalves, Organização das Indústrias - Contabilidade Pública e Industrial - Direito Administrativo - Legislação. Por decreto n. 37.376, o Presidente da República, em 24/05/1955, autoriza o funcionamento da Escola de Engenharia de Alagoas. No dia seguinte, o Diretor do Ensino Superior concedeu à nova escola um calendário especial para que pudesse funcionar ainda naquele mesmo ano. O primeiro concurso de habilitação foi realizado de 03 a 10 de junho de 1955. Dos 38 candidatos somente sete foram aprovados. A aula inaugural foi proferida, em 14/06/1955, pelo professor Pedro Tavares, catedrático da Universidade da Bahia, tendo como tema -A Deficiência do Curso Superior no Ramo da Engenharia-. Somente em 09/10/1959 o Conselho Nacional de Educação aprovou o parecer 421, favorável ao reconhecimento definitivo da escola, o que ocorreu pelo Decreto 47.371, de 5 de dezembro do mesmo ano. E seis dias depois, a 11 do mesmo mês, colavam grau os quatro componentes da primeira turma de engenheiros civis. A segunda turma, composta de sete alunos, colou grau em 11/12/1960. Com a criação da UFAL, que incorporou a Escola de Engenharia, uma assembleia autorizou a sociedade mantenedora da referida escola a transferir seu patrimônio para a UFAL, baseada na Lei Estadual 2.356, que autorizou a transferência dos bens estaduais doados à sociedade mantenedora, para o patrimônio da instituição federal. Na nova estrutura, o Conselho Universitário escolheu Everaldo de Oliveira Castro para diretor da escola, Fernando Cardoso Gama para vice-diretor, Antônio Maria Mafra, representante da Congregação e Edson Lobão Barreto, suplente do representante da Congregação. A terceira turma, já na nova estrutura, colou grau em 11/12/1961, e era composta de sete alunos. A partir de 18/12/1967, a Escola passou a denominar-se Faculdade de Engenharia, em face do Plano de Reestruturação da UFAL.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE FILOSOFIA DE ALAGOAS  

A ideia de sua criação surgiu da necessidade de habilitar professores para as escolas de nível médio. No início dos anos de 1950, além dos educandários já existentes, a então denominada Campanha Nacional de Educandários Gratuitos havia criado diversas escolas de nível médio no interior do Estado, aumentando, portanto, a necessidade de professores habilitados. Em 16/06/1950, no auditório do Colégio Guido de Fontgalland, foi fundada a Faculdade de Filosofia de Alagoas. Para tanto, criou-se uma sociedade civil da qual foram seus diretores o Padre Teófanes Augusto de Araújo Barros e o professor Theobaldo Augusto de Barros. Foram, ainda, professores fundadores: José Sílvio Barreto de Macedo, Hélio Lessa Souza, Gilberto de Macedo, Théo Brandão, Luiz de Medeiros Neto, Aurélio Viana Cunha Lima, Maria Hermínia Oiticica, Paulo Senouillet, Eduardo da Mota Trigueiros, Antônio Assunção Araújo, João Leite Neto, entre outros. Em 10/10/1950 foi requerida ao Ministério da Educação a autorização para seu funcionamento, com os cursos de Filosofia, História e Geografia, Letras Clássicas, Letras Neolatinas e Letras Anglo-Germânicas. Para tanto, se incorporou à sociedade civil, anteriormente criada, o patrimônio da Escola Técnica do Comércio Guido de Fontgalland e o do Ginásio São José, além do material didático e a biblioteca do Colégio Guido de Fontgalland. O Conselho Nacional de Educação, após cumpridas as exigências que havia feito, emitiu o Parecer 225, em 26/09/1951, favorável ao funcionamento da instituição. Mas a autorização só seria concedida em 22/01/1952, pelo decreto federal 30.238/52. Em fevereiro desse mesmo ano, realizaram-se os primeiros vestibulares. A 20 de março foi dada a aula inaugural, proferida pelo cônego Hélio Lessa Souza, no auditório da Faculdade de Direito, em solenidade presidida por Jayme de Altavila, então diretor dessa última instituição. Em nome do corpo discente falou Igor Tenório. O reconhecimento dos primeiros cursos se deu pelo Decreto federal n. 36.357, de 24/12/1954. Nesse mesmo ano foi solicitada autorização para o funcionamento dos cursos de Pedagogia e Didática, que obteve parecer favorável do Conselho Nacional de Educação em 27/04/1955. Enquanto construía sua sede própria, as aulas foram dadas na Escola Industrial de Maceió. A primeira turma concluiu em 1954 o curso de bacharelado. As cinco turmas que se seguiram já receberam o diploma de licenciatura, pois já estava autorizado o funcionamento do curso de Didática. Com a criação da UFAL, pela Lei 3.867/61, a Sociedade Colégio Guido de Fontgalland passou para aquela instituição a Faculdade, inclusive o patrimônio representado pelo prédio que construíra.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DE ALAGOAS - FAFITEAL  

Instituição de Ensino Teológico, mantida pela Igreja Assembleia de Deus no Estado de Alagoas. Tem como missão preparar pessoas para o serviço eclesiástico e o exercício profissional na área de Teologia, através dos cursos oferecidos, em parceria com a FAECAD. Oferece o Curso de Integralização em Teologia, ou seja, o bacharelado em Teologia, reconhecido pela Portaria MEC nº 457 de 31/03/2009.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

FACULDADE DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DE ALAGOAS - FAFITEAL  

Instituição de ensino teológico, mantida pela Assembleia de Deus no Estado de Alagoas e tem como missão preparar pessoas para o serviço eclesiástico e o exercício profissional na área de teologia.


Para alteração no verbete, faça uma solicitação pelo formulário abaixo:

:



:
 

<< Anterior 1 . 2 . 3 . 4 . 5 . 6 . 7 . 8 . 9